Conhecer o céu noturno – Identificar constelações

EstrelasO primeiro passo que qualquer astrónomo amador precisa de dar, se pretende tirar o melhor partido da utilização de um telescópio, é conhecer bem o céu noturno. Sem esse conhecimento, o telescópio será de pouca valia. Como poderemos observar determinado objeto celeste através do telescópio, se não soubermos onde esse objeto está? Sem dúvida que o telescópio é um instrumento de observação muito importante para a astronomia (tanto amadora quanto profissional) mas não dispensa a nossa necessidade de conhecer o céu noturno. O primeiro passo exige um pequeno esforço da nossa parte com o objetivo de conhecer bem o céu noturno a olho nu, sem qualquer instrumento de observação.

Então como podemos aprender a identificar as constelações? Como podemos saber onde se situa a constelação de Órion? Entre tantas estrelas, como podemos saber onde fica a estrela Antares?

Neste ponto podemos dar uma boa notícia: conhecer o céu noturno, nomeadamente identificar as constelações e as estrelas mais brilhantes, é relativamente simples. E à medida que formos conhecendo melhor o céu noturno, mais interessantes se tornam as nossas observações.

Aqui é fundamental termos um mapa do céu noturno que nos mostre a posição das constelações no céu para determinada hora, em determinada data, e em determinado local ou região. Algumas revistas científicas trazem esses mapas que geralmente apresentam as constelações, as estrelas, os planetas, e outros objetos celestes que podem ser observados em determinado mês. Esses mapas são uma boa base para observação astronómica.

Podemos também dispensar os mapas dessas revistas e instalar no nosso computador um software que nos faculte essa mesma informação. Um desses softwares é o Stellarium. O Stellarium é um software totalmente gratuito em que podemos colocar a nossa localização e assim saber o que podemos observar no céu a determinada hora no local onde estivermos. Para conhecer o software e fazer o download do mesmo clique no link que se segue: http://www.stellarium.org/pt.

Depois de termos esse mapa (seja de uma revista ou do Stellarium), podemos partir para a localização de determinada constelação no céu.

Convém salientar que uma constelação é um grupo de estrelas que, visto a partir da Terra, essas estrelas parecem estar próximas umas das outras formando assim uma figura no céu. A proximidade dessas estrelas é apenas aparente, devido ao ponto de vista de um observador da Terra. Na realidade as constelações são criações humanas e não grupos de estrelas realmente ligadas entre si.

Através desse mapa podemos saber que constelações estão visíveis a Sul, a Oeste, a Norte ou a Este do local onde estivermos. Podemos escolher uma constelação cujas estrelas sejam brilhantes e procurar essa figura no céu. Existem constelações mais fáceis de localizar que outras. Por exemplo, uma das mais fáceis é a constelação de Órion, uma bela constelação com estrelas brilhantes, porém esta constelação não é visível durante todo o ano. Podemos ver outros exemplos de constelações relativamente fáceis de localizar: no hemisfério norte temos, por exemplo, a Ursa Maior; no hemisfério sul temos o Cruzeiro do Sul.

Estes são apenas alguns exemplos de constelações que podemos procurar no céu, pois existem diversas constelações fáceis de se localizar.

Depois de termos localizado a nossa primeira constelação, tudo fica muito mais fácil ainda. A partir daí, voltamos a pegar no nosso mapa do céu e vamos procurar as constelações que aparecem próximas daquela que já conseguimos localizar. Agora é só praticar! A partir desse ponto estamos em condições de localizar muitas outras constelações e simultaneamente estamos em condições de identificar muitas estrelas no céu.

Para além das estrelas, podemos também localizar os planetas e outros objetos celestes. Claro que com recurso a binóculos ou telescópios poderemos observar muitos outros objetos celestes que não vemos a olho nu. Mas lá chegaremos a esse ponto!

A partir daqui é importante passarmos um tempo para nos familiarizar com o céu noturno, suas constelações, as principais estrelas e os planetas.

Porém, muitas vezes temos um problema pela frente que nos dificulta e muito as nossas observações. Trata-se da poluição luminosa que existe nos centros urbanos e que nos impede de observar inúmeros objetos celestes. Este é o assunto para o artigo que se segue: Poluição luminosa – problema para os astrónomos.

Constelações